0000000000000 PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA – AngolaComunica

A JNLS LDA, mentora e produtora dos PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA, tem trabalhadona dinamização do sector da comunicação e do audiovisual, com a realização de vários eventos, que vão desde acções formativas, feiras e produção de conteúdos, que visam acima de tudo estimular as boas práticas, o rigore excelência no exercício da actividadeprofissional. Por estas e outras razões, trabalhamos de forma empenhada, para que o mesmo tenha o devido respeito e reconhecimento institucional, profissional e público, que reger-se-a pelo presente regulamento.

Os PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA, são um reconhecimento profissionalde âmbito nacional, voltado ao sector da comunicação e audiovisual, que visa reconhecer e estimular as boas práticas, a excelência, o rigor, a ética e a deontologia no exercício da actividade profissional dos sectores abrangidos.

Os PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA têm como objectivos promover e incentivar a aplicação prática, dos códigos éticos, deontológicos e legais associados à criatividade profissional, que regem as diversas actividades do sector de forma individual ou colectiva, dando-lhes o devido mérito e reconhecimento sócio-profissional.

De acordo com a natureza do ANGOLA COMUNICA em particular as premiações, define-se como público alvo qualquer profissional que trabalhe de forma directa ou indirecta no sector da comunicação e audiovisual que esteve no activo no ano e categorias em referência, conforme as regras estabelecidas.

O PRÉMIO ANGOLA COMUNICA é de periodicidade anual. Acontecerá sempre no âmbito do ANGOLA COMUNICA no acto de encerramento, por meio de uma gala de premiação.

1. O corpo de jurado é o principal responsável pela aplicação prática e rigorosa doregulamento, sendo soberano nas suas decisõesque são irrevogáveis, pelo que cabe apenas a eles assumir todas as responsabilidades.

2. PERFIL

1. Nacionalidade angolana,
2. Estrangeiro Residente: + de cinco anos
3. Idade: = >35 anos
4. Formação: Licenciatura, Mestre ou Doutoramento em:

(CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, CINEMA, TV, ARTES).
Figuras com outras formações, ou sem os graus a cima referidos, podem ser convidadas a fazer parte do júri, desde que reunam outras valências positivas para o grupo de trabalho, em particular para o projecto.
a) Experiência profissional mínima: 10 anos
b) Não ser júri de nenhum outro concurso ligado ao sector da comunicação e audiovisual

3. Nomeados pela organização, normalmente composto por profissionais do sector no activo ou não, organizaçõesindependentes e convidados. A equipa obedece a seguinte estrutura:

1.PRESIDENTE
2.VICE – PRESIDENTE
3.PORTA – VOZ
4.+ 5 MEMBROS

A eleição aos cargos de direcção é de inteira reponsabilidade do grupo por indicação da organização e candidaturas voluntárias, e deve acontecer na primeira reunião presencial, logo no primeiro ponto, para que de imediato, o (a) PR possa dirigir os trabalhos.

O/A PRESIDENTE é o/a responsável pela condução dos trabalhos, tem o direito de veto e preferência, bem como representar a todos; o VICE – PRESIDENTE tem a função de auxiliar o Presidente no exercício das suas funções e representá-lo sempre que necessário, bem como coordenar os trabalhos dos grupos internos ou externos que possam ser criados; a (o)PORTA-VOZ competedar voz as deliberações internas que sejam do interesse público, previamente autorizado pelo (a) PR e pela organização.

Ao SECRETARIADO (responsabilidade da organização) compete agendar e secretariar as reuniões, elaborar actas e todo documento administrativo necessário e solicitado pela equipa.

4. Os membros do júri reúnem quinzenalmente, com datas, horas e local a indicar, mediante convocatória com pelo menos sete dias de antecedência e actualizada em forma de lembrete sempre que necessário, pelas seguintes vias: e-mail, sms, whatsapp, facebook e outros meios que viabilizem a comunicação. O fluxo de reuniões pode variar, conforme as necessidades do projecto.

5. O júri pode buscar apoios a terceiros (júri de apoio), para votar ou decidir em categorias especifícas, cujos critérios de avaliação não sejam públicos e fujam as suascompetências técnicas.

6. Os membros que integram o corpo de jurados têm um mandato de três anos, renováveis anualmente.Caso nenhuma das partes apresente uma posição contrária, poderão ser substituidos em parte ou na totalidade, durante ou no final dos mandatos, pelas seguintes razões:

1.  A seu pedido.
2. Por fim de mandato e umas das partes manifestar o interesse da não renovação anual.
3. A pedido da organização ou de 50% do corpo de jurado, por incompatibilidades ou infracções tendentes a manchar o projecto, em particular o corpo de jurado.

7. INFRACÇÕES – Constitui infracções do corpo de jurado as seguintes:

a) Faltas e atrasos, igual ou superior a três.
b) Faltar ao respeito, com uso de palavrões, gestos e tons ofensivos ao se dirigir a qualquer membro do grupo.
c) Não cumprir as orientações sem justificação documental.
d) Não agir de forma isenta e profissional no processo de indicação dos nomeados.
e) Vazar informações sem autorização do/a PR, ou da organização.

8. SANÇÕES:

1) ADVERTÊNCIA ESCRITA – É aplicada esta medida, sempre que se verificar atrasos, faltas ou qualquer incumprimento, por parte de qualquer membro, sem aviso prévio, por escrito (email, carta, ou sms). Cada advertência vem acompanhada com desconto de 5% sob o valor do ordenado aprovado para o membro em causa.

2) AFASTAMENTO/EXPULSÃO – É aplicada esta medida, sempre que se verificara aplicação de TRÊS ADVERTÊNCIAS, pelos motivos invocados no ponto anterior, ao mesmo membro, durantes três sessões, caso não haver qualquer sinal de melhoria, este é imediatamente substituído.

9. O CORPO DE JURADO TEM AS SEGUINTES FUNÇÕES:

a) Indicar as figuras (5) a homenageara título póstumo e cinco menções honrosas.
b) Indicar/nomear os concorrentes para as diferentes categorias.
c) Substituir candidatos desistentes por vontade própria ou que por alguma outra razão devidamente fundamentada, não possam ser homenageados ou concorrer à determinada categoria, ou passar para outra, bem como afastar do concurso.
d) Bloquear qualquer conflito de interesses, que possam manchar o prestígio da equipa e colocar em causa a credebilidade dos prémios.
e) Recorrer à consulta (fora do grupo), sempre que achar conveniente.
f) Definir os critérios de avaliação para ser nomeado ou indicado em alguma categoria, além dos previstos no regulamento, caso se justifique.

10. REMUNERAÇÃO – Mediante propostas/contratos individuais e de acordo as responsabilidades acrescidas dentro da equipa, os membros do júri terão direito a um subsídio monetário como forma de estímulo/gratificação pelo serviço prestado, igual ou superior a 200.000.00 AKZ, isto em função da disponibilidade financeira da organização.

Para a presidência, são acrescidos30% no valor base em causa, e aos demais membros com responsabilidades acrescidas20%.

A forma e o modelo de pagamento são negociados individualmente, plasmado em contrato. Qualquer membro do júri, a título individual, tem toda liberdade de recusar à remuneração, revertendo-a a favor da organização e fica livre de qualquer desconto monetário, mas não o isenta de outras sanções e obrigações previstas neste regulamento.

1. O acesso para ser indicado/nomeado a concorrer aos PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA, acontece de duas formas:
a. Nomeação/indicação directa pelo corpo de jurado, ou órgão de tutela a pedido do júri.
b. Inscrição de acordo a categoria, mediante preechimento de uma ficha e apresentação dos trabalhos, de forma física no escritório da JNLS, ou no site: angolacomunica.com, devendo anexar o seguinte:

1. Carta dirigida à organização ou preencher a ficha de inscrição.
2. Anexar à carta ou à ficha de inscrição todos os projectos a concorrer, ou em referência.
3. Carregar em suporte PDF, em todos os ficheiros em JPG, ou Word, referentes às categorias a que se vai inscrever.
4. Os vídeos e áudio devem estar no formato HD/MOV, ou conforme os formatos aprovados para emissão.
5. Os prazos de inscrição serão anunciados nos diversos meios e formatos publicitários, aprovados para o projecto.

2. CRITÉRIOS PARA NOMEAÇÃO/INDICAÇÃO:

a. Ter estado no activo durante o ano e nas categorias em referência;
b. Ter desenvolvido trabalhos, com elevado interesse público e social por meio das categorias em referência, que agregaram valores à sociedade;
c. Ter estado em destaque e em obediência ao código ético e deontólogico da profissão;
d. Não ter ferido a sensibilidade/moral pública, nem estar envolvido em polémicas pejorativas, durante o ano em referência;
e. Consultas directas aos responsáveis dos órgãos de comunicação, profissionais do sector e categorias em referência;
f. Outros critérios podem ser analisados e aprovados no acto das discussões para as nomeações;

2.1 CRITÉRIOS PARA EXCLUSÃO:

g) Não ter estado no activo, no ano e categorias em referência.
h) Limitação de espaço nas categorias em referência.
i) Estar directamente ligado (a) a organização ou ao corpo de jurado.
j) A pedido próprio por escrito físico ou e-mail, 24h depois de ser informado sobre a nomeação.
k) Ter ficado nas duas últimas posíções, quarto e quinto lugar na última edição e não ter se superado no ano seguinte, ainda que no ano anterior tenha estado entre os três primeiros.
j) Tentativas de suborno, ou qualquer acto que lese a lisura dos PAC.

3. Depois de nomeados, a instituição, conteúdo ou profissional, estará automaticamente habilitado a fazer parte do concurso e passa a votação final do público ou do júri.

Os critériospoderão variar segundo o entendimento do corpo de jurado, de acordo as diferentes categorias a premiar, durante o processo (reuniões) para nomeação/indicação dos finalistas, que irão à votação pública ou técnica (do júri), nos casos em que os critérios de avaliação não estejam ao alcance do público.

Além das propostas previstas no regulamento, o júri poderá (ou não) definir quais premiações serão votadas pelo público e quais serão votadas por si, por exigerem uma avaliação mais técnica, especializada/profissional, bem como os critérios a usar, caso não estejam previstas no presente regulamento.

4. O processo de votação acontecerá directamente no site: angolacomunica.com, com apresentação dos resultados em tempo real. A gestão e supervisão do processo de votação, bem como gerir todo sigílo em torno do mesmo, até ao dia da gala, é da inteira responsabilidade do júri.

5. As categorias em concurso nos PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA, pautam-se pela inovação, cumprimento dos princípios éticos e deontológicos da actividade, interesse público e legislações relacionadas em vigor.

Para cada categoria, devem ser indicados no máximo cinco finalistas(três lugares reservados a Luanda, por ser o maior centro de produção do país e dois, as outras provícias), sem destinção de género, cabe ao júri buscar algum equilíbrio ou não, o que deve mesmo prevalecer é a qualidade profissional, conteúdo ou instituição.

Ajustar os profissionais e conteúdos a concorrer, aos órgãos nomeados e vice-versa, salvo não existerem justificações para o efeito, no caso de falta de opções.

Entre os vários critérios de avaliação, segundo o entendimento do júri e do público, importa ter em conta o seguinte:

5.1 – CATEGORIA INSTITUCIONAL:

Concorrem nestas categorias, os meios de comunicação em si, enquanto empresa num todo, onde éavaliado entre outros aspectos corporativos o seguinte:

–  Identidade Corporativa (visual/sonora) do órgão (TV, RÁDIO, IMPRENSA, DIGITAL), pela forma plástica ou sonora como se apresenta.
–  Estratégias e gestão de conteúdos e quadros, visando servir e atingir o interesse público e social.
–  Cumprir os princípios legais, éticos e deontológicos da profissão/actividade.

5.2 – CAT. DE PROGRAMAS & CONTEÚDOS:

Concorrem nesta categoria, obras/programas de produção colectiva de televisão, rádio, cinema etc. Cada membro da equipa, concorre de acordo à sua especialidade de forma individual (produção, guião, realização, op. de câmara, som etc), são nomeados de forma directa a partir do conteúdo principal. Serão destinguidos, com certificados, caso o conteúdo principal vença com os seguintes elementos:
– GUIÃO/CONTEÚDO.
– PRODUÇÃO.
– REALIZAÇÃO.
– TÉCNICOS DIRECTOS.
O programa ao ser nomeado, a produção ou instituição, deve fornecer uma lista da equipa, que o produz.

5.3 – CATEGORIATÉCNICA E PROFISSIONAL:

Concorrem nesta categoria de forma individual profissionais, que produzem conteúdos, em obediência aos princípios éticos e deontológicos da profissão e outros critérios decididos em reunião pelo júri.

5.4 – A CATEGORIA DE EXCELÊNCIA/HOMENAGEM:

Éum prémio de inteira responsabilidade da crítica (júri), a atribuição é feita de forma directa, sem recurso a votação pública, apenas dos membros do júri, cujos critérios e motivos sejam igualmente da sua responsabilidade, devendo fundamentar apenas no dia da gala, no acto da entrega dos troféus e por meio de uma carta a entregar ao vencedor.

5.5 – CATEGORIA:

Para o ano em referência (2020), fazem parte dos prémios Angola Comunica, a seguintes categorias e subcategoria:

1. CATEGORIA INSTITUCIONAL
– CANAL DE TV
– CANAL DE RÁDIO
– JORNAL GENERALISTA
– JORNAL DE ESPECIALIDADE
– SITE DE INFORMAÇÃO
– SITE E PÁGINA DE ENTRETENIMENTO
– REVISTA IMPRENSA
– DISTRIBUIDORA DE TV
– GCII – GABINETE DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL & IMPRENSA.
– PRODUTORA AUDIOVISUAL
– SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E INTERNET
– COMUNICAÇÃO COMERCIAL & MARKETING
– ACADEMIA DE COMUNICAÇÃO

2. CATEGORIA DE CONTEÚDOS

CATEGORIA DE TV E CINEMA:

– PROGRAMA INFORMATIVO DE TV
– PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO DE TV
– PROGRAMA SOCIAL DE TV
– TALK SHOW
– PROGRAMA DE DEBATE DE TV
– PROGRAMA MUSICAL DE TV
– PROGRAMA DESPORTIVO DE TV
– MAGAZINE CULTURAL DE TV
– CINEMA – LONGA METRAGEM
– CINEMA – CURTA METRAGEM

CATEGORIA DE RÁDIO:

– PROGRAMA INFORMATIVO DE RÁDIO
– PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO DE RÁDIO
– PROGRAMA SOCIAL DE RÁDIO
– PROGRAMA DE DEBATE DE RÁDIO
– PROGRAMA MUSICAL DE RÁDIO
– PROGRAMA INFANTIL DE RÁDIO
– PROGRAMA DESPORTIVO DE RÁDIO
– MAGAZINE CULTURAL DE RÁDIO

3. CATEGORIA TÉCNICA PROFISSIONAL

– JORNALISTA DE TV
– JORNALISTA DE RÁDIO
– JORNALISTA DE IMPRENSA
– JORNALISTA DE INVESTIGAÇÃO
– JORNALISTA DIGITAL
– JORNALISTA DEPORTIVO
– JORNALISTA ECONÓMICO
– APRESENTADOR (A) DE INFORMAÇÃO
– LOCUTOR (A) DE INFORMAÇÃO
– APRESENTADOR (A) DE ENTRETENIMENTO
– LOCUTOR (A) DE ENTRENIMENTO
– APRESENTADOR (A) DE TALK SHOW
– MODERADOR (A) DE DEBATES E ENTREVISTAS DE TV
– MODERADOR (A) DE DEBATES E ENTREVISTAS DE RÁDIO
– PORTA-VOZ
– REPÓRTER CULTURAL & ENTRETENIMENTO
– REPÓRTER DE IMAGEM/TV
– FOTOJORNALISTA
– EDIÇÃO DE VÍDEO E PÓS-PRODUÇÃO
– DESIGN & PAGINAÇÃO

Os prémios poderão ser de forma individual ou colectiva, a determinar pela natureza de cada uma das categorias, estas serão destinguidos com:
– TROFÉUS – Para os vencedores principais, individuais ou colectivos.
– CERTIFICADOS – Para todos os vencedores individuais, e colectivos de uma mesma produção, aonde vem espelhado os principais motivos para indicacão ou vitória. Ex.: programas de tv ou rádio.
– OUTROS PRÉMIOS – Gentilmente cedidos por patrocinadores, caso haja, que poderão ser monetários, produtos ou serviços.

Os nomeados deverão ser informados por escrito, por meio de carta física,digital ou sms, que estão a concorrer para determinada categoria, estes, por sua vez, têm todo direito de aceitar tal nomeação, num prazo de 24h, depois disto a organização dará como aceite.
Caso o candidato solicite que o seu nome seja afastado do concurso, o corpo de jurado deve substituí-lo imediatamente por outro.

O presente regulamento representa todas asnormas que regem os PRÉMIOS ANGOLA COMUNICA, a sua aplicação é obrigatória e pode ser modificado sem aviso prévio, mediante concertação entre a organização e júri. Todos os assuntos omissos no presente regulamento são da competência do corpo de jurado esclarecer e se necessário, contar com a intervenção da organização.

© Copyright 2021 Desenvolvido Por Kwantoé